Sunday, 16 September 2018

Passeio a Toledo

E assim chegou ao fim mais uma viagem.
Foi a primeira vez que levámos tanta gente mas apesar disso, nunca tivemos problemas com paragens tanto em termos de tempo como de espaço e também nos hotéis, estacionamentos e restaurantes correu tudo bem.

E como já é normal neste tipo de viagens, há locais que surpreendem pela positiva enquanto que outros pela negativa.

De todo o planeamento, o local mais difícil de encontra foi Capilla, foi preciso rever algumas vezes o video do Motogeo e passar algum tempo a analisar aquela zona do Google Maps até conseguir chegar lá mas valeu a pena, tanto a paragem de almoço como o largo do castelo tinham uma excelente vista sobre os lagos em redor.

Os Moinhos de Consuegra também foram um excelente local de paragem, boas vistas, os moinhos, o castelo, valeu a pena.

Toledo, logo na chegada, a subida ao Miradouro da Piedra del Rey Moro, foi 5 estrelas, dado que a vista sobre a cidade era muito boa, melhor do que no miradouro ao lado da estrada. E o dia que passámos na cidade também foi bom, diferente do que habitualmente fazemos e deu para conhecer melhor aquela cidade que tem um centro histórico bem grande.

Cuenca, Albarracín e Segóvia, são 3 boas cidades para uma paragem e para se passar algum tempo. E se Segóvia foi a favorita da Ana, no meu caso, a que mais gostei e onde gostaria de voltar era Albarracín, pelo menos para subir ás muralhas.

Outro local diferente daquilo que costumamos ver foi a Ruta de las Caras. Só foi pena não termos ido mais cedo para poder desfrutar melhor do local.

Do ponto de vista negativo, tivemos a Ciudad Real, acabámos por não ver lá nada e só perdemos tempo no transito. E também não voltava a fazer o caminho para a Playa del Tajo. Apesar de o local ser engraçado, não compensou o tempo e os quilómetros que fizemos em mau piso. Se fosse hoje, de Albarracín seguia directo para a Ruta de las Caras.

A alimentação em Espanha também deixa sempre algo a desejar e esta viagem não foi excepção no entanto, aquele que era o local mais "estranho", acabou por ser onde jantámos melhor e onde tomámos o melhor pequeno almoço, o Hostal Frías de Albarracín.

Não posso também deixar de fazer uma referencia à N502 que atravessa a Sierra de Gredos e que mais uma vez se revelou uma excelente opção de percurso.

Mas apesar dos altos e baixos, é sempre um prazer ir dar uma voltinha a Espanha.

Para terminar, fica o agradecimento ao Hugo, ao Miguel, ao Rui e à Vanessa, que nos acompanharam nesta viagem!










Sunday, 9 September 2018

Passeio a Toledo, El Espinar - Lisboa [6/6]

E foi assim que chegámos ao último dia de viagem sendo que havia uma sensação mista porque se por um lado íamos regressar a casa, também íamos voltar à N502, uma das minhas estradas favoritas em Espanha. Nós tentamos sempre evitar os mesmos locais ou estradas mas neste caso, abrimos uma excepção porque o objectivo era mesmo voltar a fazer esta nacional.

Tomámos o pequeno almoço, carregámos as malas e seguimos por uma estrada secundária até Ávila,





Fizemos uma passagem pelo centro sem paragem e fomos até ao miradouro dos Cuatro Postes,









Ávila está na minha lista de cidades favoritas em Espanha  o que faz com que seja sempre um local agradável para uma passagem
Daqui seguimos então para a N502 em direcção em Monbéltran. Já tínhamos feito uma vez o caminho de Talavera de la Reina para Ávila mas agora íamos experimentar ao contrário. Infelizmente a máquina que a Ana leva já tinha deixado de funcionar, então só temos algumas fotos tiradas com o telemóvel e que não espelham o que é esta estrada, o piso, as curvas e as vistas,













Após Monbéltran, deixamos a N502 e seguimos pela AV-923 que se revelou mais uma boa estrada até Arenas de San Pedro. E foi por pouco que chegamos a horas de ver a prova de Moto2 em Barcelona (o Miguel Oliveira conseguiu ficar em 2º).
Enquanto íamos vendo a corrida íamos almoçando e no fim voltamos à estrada para fazer um percurso longo, lento e com tempo quente pelo meio de inúmeras localidades.
Até que chegamos ao Mosteiro de San Jerónimo de Yuste onde aproveitamos para refrescar e descansar um pouco,





E a visita ficou por aqui porque o bilhete para visitar este Mosteiro construído em 1402 custa 8€,







Mas o tempo não parava e lá voltámos então à estrada,











Este caminho acabou por ser uma boa surpresa dado que proporcionou umas belas paisagens enquanto íamos andando,







A partir daqui o caminho piorou um bocado enquanto subíamos ao topo da serra, mau piso, curvas apertadas e sem visibilidade e só percebemos o que já tínhamos subido, quando chegamos ao topo, a cerca de 1200m de altitude,



A seguir passámos pela aldeia de Piornal e iniciamos a descida até ao caminho que nos ia levar à Cascada Caozo, 











Mas apesar de o ambiente ser convidativo a um mergulho, acabámos por apenas apreciar as vistas,







E foi assim que chegamos ao último ponto de paragem desta viagem, estava na hora de voltar ás motas e iniciar o regresso a casa.
De seguida descemos por uma zona de produção de cereja até ao Valle do Jerte e fomos até Plasencia. Como já por lá tínhamos estado, nem fomos ao centro. 

Seguimos em direcção à Sierra da Gata e acabou por se revelar uma boa escolha em termos de estrada mas o sol de frente que apanhámos todo o caminho não nos facilitou a vida.

Parámos em Castelo Branco para jantar, descansar um pouco e depois então fizemos a última tirada até casa. 

E este foi o percurso que dizemos neste último dia, 


[Google Maps]



ps. e algum tempo depois, em casa, reparei nisto 😃



Friday, 31 August 2018

Passeio a Toledo, Horches - El Espinar [5/6]

Depois de uma noite menos boa com direito a troca de quarto ás 02h por causa do barulho, acordámos, fomos até ao nosso quarto inicial e depois de um banho tomado, descemos até ao restaurante para o pequeno almoço. Tal como no dia anterior, o pequeno almoço era a pedido ou seja, resolvemos tirar a desforra do que tínhamos pago ao jantar e então pedidos quase tudo o que havia... E claro, terminámos com umas belas fatias de melão!

Depois de recuperar as energias, carregamos as coisas e seguimos até Guadalajara. Fizemos uma pequena paragem no Panteón de la Duquesa de Sevillano,









Mas como a entrada era 3€, vimos apenas por fora. 

Voltámos logo à estrada e após andar mais meia dúzia de quilómetros parámos num restaurante chamado Lisboa para almoçar, havia Pinchos de oferta com a cerveja e... Francesinha! Que acabou por ser umas das nossas escolhas e que até estava bem boa.
Ao fim de um bocado apareceu o dono, português e morava e tinha negócio ali, 



E esta era a viatura do dono, 



Depois de almoço um pouco de exercício e empurrar BMWs dado que alguém se lembrou de deixar as luzes auxiliares ligadas... Mas como a moto não pegava de empurrão, o nossa sorte foi o dono do restaurante que nos arranjou chaves para tirar o banco, cabos e a bateria do carro para um toque de bateria.

Ao fim de algum tempo... ... ... lá voltámos à estrada. 

Atravessámos o Parque Natural de Cuenca Alta, subimos aos 1950m de altitude e descemos para San Ildefonso. Já estávamos a ficar atrasados mas mantivemos a paragem no Palacio Real de la Granja de San Ildefonso. Mas como já tínhamos visto e pago no Palacio de Aranjuez, fomos apenas ver o exterior e os jardins, 













No entanto quando chegámos aos jardins, também havia bilheteira, ou seja, eram 9€ para o palácio e mais 4€ para os jardins! Ficámos assim pela entrada e por esta foto, 





Depois desta pequena paragem seguimos de imediato para Segóvia de modo a chegarmos ainda com o Castelo/Alcazar aberto. Ainda nos perdemos na cidade e quando chegamos foi logo comprar o bilhetes e entrar para ainda termos tempos de fazer a visita. Nem tempo houve para uma foto do exterior, 

















A Iglesia de San Marcos, 



E logo ao lado, o Monasterio de Santa Maria del Parral,





























E voltámos ao interior para continuar a visita,



























Acho que estavam a fazer contas a ver se cabia em alguma top case, 





No final da visita, ainda existem umas salas com documentos e demonstrações da época, 









Este aparelho servia para medir a qualidade de pólvora, 





Por baixo do castelo ainda existem umas fundações que se estima serem para época dos romanos, 





Depois da visita, é que fomos ver e apreciar o exterior do castelo, 















Do castelo, seguimos pelo centro até à zona do famoso aqueduto de Segóvia, 





Junto do aqueduto existe um grande estacionamento para motos, mesmo no centro da cidade, 



E agora, o Acueduto de Segóvia, construído no início do século II, com os seus 28 metros de altura, 



A imagem da Virgem do aqueduto, 







Continuámos o nosso passeio e pé, 



Passámos na Plaza Mayor, onde fica a Catedral,





E descemos pela ruas movimentadas até à parte baixa. Aqui já se notava bem o facto de ser fim de semana devido à quantidade de pessoas que andavam a passear na cidade, 





Jantámos uns belos kebabs no centro, mesmo ao lado do aqueduto e no fim ainda subimos para mais uma foto, 



Nesta noite havia um espectáculo de dança mas acabámos por não ficar para ver. O cansaço já era algum e ainda tínhamos cerca de 30 km para fazer até ao hotel. 

E este foi o percurso que fizemos neste penúltimo dia, 



E agora descansar que no último dia tínhamos uns bons quilómetros para fazer, além disso as temperaturas estavam a aumentar o que não ia facilitar a vida.